Seguro ou rastreador: qual é o melhor para seu carro?

Atualizado: 17 de Jul de 2020



As incertezas financeiras por conta da pandemia do coronavírus podem fazer muitas pessoas abandonarem os seguros de carro. Há também quem esteja procurando outras formas de manter o veículo seguro, mas pagando menos.


Os rastreadores veiculares são conhecidos por serem mais baratos que os seguros. Antes de optar por essa modalidade, entretanto, avalie quais são suas reais necessidades. A contratação de rastreadores geralmente não inclui serviços como assistências e indenizações.


Já para quem tem carro de luxo, van, caminhão ou trabalha com carregamento de cargas, o rastreador pode ser muito importante. Fique com a gente neste post que vamos te explicar as diferenças entre o seguro e o rastreador.


Como se calcula o valor de um seguro de automóvel?


Ter um seguro contra roubos, furtos e danos é uma decisão importante para os motoristas. Ainda mais com o crescente número de veículos nas ruas e os altos índices de violência, especialmente nas grandes cidades. No entanto, muitas pessoas acabam ficando desprotegidas por conta do custo.


Primeiramente, é importante entender como as seguradoras calculam o preço dos seguros. Entre os quesitos estão:


  • Perfil do motorista;

  • Violência;

  • Modelo e ano do carro;

  • Local em que o carro fica guardado;

  • Acessórios de segurança do carro.


O principal desta lista é o perfil do motorista. Os inexperientes, por exemplo, pagam mais caro pelo seguro, pois têm maiores chances de se envolver em acidentes. O índice de roubos e furtos de veículos na cidade em que o motorista mora também é significativo para o cálculo do valor.


Já o uso de acessórios de segurança, como alarmes, rastreadores e travas podem baratear o serviço. Quanto menor for a chance de furto ou roubo, menor tende a ser a mensalidade cobrada pela seguradora.


Avalie suas necessidades


Existem vários tipos de seguro, com diferentes coberturas. Há por exemplo, o seguro de casco, o seguro de responsabilidade civil facultativa de veículos (RCF-V) e o seguro de acidentes pessoais de passageiros (APP).


O seguro de casco é aquele contra sinistros, ou seja, acidentes e prejuízos materiais ao carro. A cobertura básica normalmente inclui proteção contra colisão, danos da natureza, incêndio, furto, roubo, entre outras ocorrências. Também podem ser contratadas coberturas adicionais disponíveis em cada uma das seguradoras.


É possível, por exemplo, adicionar proteção aos vidros. No seguro básico está incluso a lataria, a parte mecânica e elétrica do carro. Também pode-se acrescentar a contratação de carro reserva e lucros cessantes.


Este último é bastante importante para quem tem o carro como fonte de renda, como os taxistas. No caso de algum acontecimento impedir o motorista de trabalhar, ele recebe uma indenização relativa ao período em que ficar parado.


Já o seguro de responsabilidade civil facultativa de veículos garante uma indenização por danos materiais, corporais e morais causados a terceiros. Inclui custos médicos e hospitalares devido ao acidente, como também despesas com morte ou invalidez. Os danos morais se referem a indenizações judiciais que o segurado seja condenado a pagar.


O seguro de acidentes pessoais de passageiros também cobre despesas médicas e hospitalares, além de danos corporais em caso de acidente de trânsito. Neste caso, porém, os valores são destinados aos passageiros do veículo com esse seguro contratado. Esta é uma opção bastante importante para quem trabalha com transporte de pessoas, como motoristas de aplicativo, de vans ou de ônibus.


A contratação dessas coberturas pode encarecer o seguro, mas podem valer a pena dependendo da finalidade do uso do carro.


Qual a diferença entre seguros e rastreadores?


Os rastreadores têm custos mais baixos para o motorista. Normalmente as empresas de rastreamento cobram um valor de instalação, em torno de R$ 300 e R$ 400. Já a mensalidade do aparelho varia de R$ 60 a R$ 70.


O uso de rastreadores pode aumentar a chance de o veículo ser localizado em caso de furto ou roubo. Outro fator importante que você deve observar é a política da seguradora caso o veículo não seja encontrado. Há empresas que cobrem o valor da tabela FIPE nestes casos, mas não são todas.


É comum seguradoras trabalharem também com a instalação de rastreadores. Existem algumas empresas que fornecem o equipamento e há a possibilidade de o motorista comprá-lo de outro fornecedor.


As seguradoras oferecem apólices mais baratas de seguros para quem utiliza o rastreador. Isso porque, como explicamos anteriormente, a chance de recuperação do automóvel em caso de furto ou roubo é maior. Essa é uma opção muito relevante para quem tem ou trabalha com veículos de alto valor.


Se você é uma pessoa que pouco usa o carro e sua maior preocupação é com furtos e roubos, o rastreador também pode ser uma boa opção. Apenas não se esqueça de verificar com a seguradora qual a política caso o veículo não seja localizado.


Agora, se você quer a opção mais completa e segura, invista nas duas opções: o rastreador e o seguro! Para saber mais sobre cuidados com seu carro e pneus, continue no blog e acompanhe nossos conteúdos.


Tem alguma dúvida ou sugestão? Conte para a gente nos comentários.


Para receber as notificações de nossas respostas aos seus comentários, torne-se um membro do blog! Basta se cadastrar no topo desta página :)


Você também pode gostar de ler:


Como é feito um pneu? Conheça o processo de fabricação.


Quanto tempo ou quantos km dura um pneu novo?


8 Dicas para evitar o desgaste dos pneus


Posts recentes

Ver tudo

© 2018 Achei Pneus | www.acheipneus.com.br

  • Facebook Achei Pneus
  • Instagram Achei Pneus